15/08/18

ALJUBARROTA, PASTORINHOS DE FÁTIMA, ASSUNÇÃO


- 13 de Agosto: os Pastorinhos de Fátima ficaram privados das aparições. Foram levados pelo Administrador do Conselho de Ourém (activo republicano, e maçon), o qual estava convicto que tudo era uma farsa do Clero para aumentar o poder e influência da Igreja e da crença. As crianças foram duramente interrogadas e fortemente pressionadas para darem a verdade por mentira. Foram presas. [O Trono de Portugal estava em risco de fugir para um rei ilegítimo, por estrangeiro. Os portugueses, em meio de uma crise dinástica viam-se ameaçados por forças mais poderosas, mas resistiram e se mantiveram fiéis aos seus deveres pátrios].

- 14 de Agosto: foi um tempo de grande provação. Os pastorinhos permaneceram presos, mas mantiveram-se fiéis em guardar o segredo e em não desmentir o que guardavam. [Não recuando, guiados pelo santo General das tropas, por dever quiseram os portugueses resistir ao invasor directamente, travando-se batalha em Aljubarrota. Ganhou a defesa da legitimidade ao Trono de Portugal.]

- 15 de Agosto: ao terceiro dia, depois de novo interrogatório, foram por fim libertos neste dia de Assunção. [Foi com especial solenidade celebrada a festa da Assunpção de n. Senhora, quem deu a vitória. D. João I cumpriu então a sua promessa, construindo o Mosteiro de Nossa Senhora da Vitória, conhecido como Mosteiro da Batalha, obra magnífica na Europa. Também em dia de Assunção, anos depois, D. João I redigiu Carta onde decreta que o Reino de Portugal passaria a usar como referência de datação o ano de nascimento de Nosso Senhor, e não mais o calendário Hispânico (ou de César). Sto. António de Lisboa nasceu num 15 de Agosto]

Algures, ficou incompleto o nosso estudo, no qual se mostra que são conhecidos nos séculos passados indícios de que o nascimento do Santo Condestável teria sido a 13 de Maio (ex: Jorge Cardoso começa por supo-lo na sua monumental obra Agiológio Lusitano).

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CDLXV

DA IMAGEM DE N. SENHORA DA VITÓRIA

Nossa Senhora da Oliveira
Defronte daquela Real Casa, e magnífico Templo da Colegiada da notável Vila de Guimarães, dedicada à Senhora da Oliveira, e da sua porta principal fica o padrão, (de que falamos no tit. 8 da Imagem de nossa Senhora da Oliveira) e entre ele, e da porta principal distancia de dezassete passos, fica um átrio de passeio. É este padrão (como fica dito) obra não só magnífica, mas muito curiosa pelas muitas Imagens, que nele há, e de obra tão miúda, que parece que não podia obrar coisa mais perfeita em madeira. Fica debaixo de uma abóboda, levantada sobre quatro pilares, revestidos de colunas, (como também já dissemos) e sobre eles assentam quatro arcos com bastante vão, e largura. No alto do arco fronteiro à porta da Igreja se forma uma tribuna, nela se vê um Altar com a frente para o Ocidente, em que está colocada uma devota Imagem de nossa Senhora, a quem dão título de Victória. E a esta soberana Senhora atribuem muitos o milagre da oliveira; porque na ocasião em que a colocaram, reverdeceu. E deram-lhe o título de Vitória, pela que deu a ElRei D. João o Primeiro na batalha de Aljubarrota. Tem obrado muitos milagres, e assim é muito grande a devoção da gente para com esta Santíssima Imagem, e a vão buscar em seus trabalhos, e necessidades. A sua estatura são quase cinco palmos, é de rocha, e de vestidos, que tem muitos, que lhos oferecem os seus devotos em sinal de agradecimento, pelos benefícios que da Senhora recebem. Vem-se aos lados da Senhora, de uma parte São Dâmaso Papa, natural da mesma Vila; e da outra S. Torcato Bispo, e Mártir (cujo corpo está inteiro, uma légua distante da mesma Vila, em um túmulo com grande veneração, e ornato tão rico, que não parece ser coisa de gente muito ilustre, e de povo muito nobre. Ali estão pintados muitos quadros dos milagres, e maravilhas, que a Senhora tem obrado.

Aos pés do Altar desta Senhora está retratado de meio relevo a figura de um Advogado, que se chamava Pedro Lobão, o qual sendo Advogado naquela vila, tomou por empresa o querer derrogar os privilégios, isenções, e liberdades dos caseiros, e trabalhadores da Casa de nossa Senhora, e também dos Priores, e Cónegos daquela Colegiada, e o fazia com tanta instância, e paixão, que estando uma manhã conversando junto daquele Padrão, e defronte da Senhora da Vitória, como Abade de Freitas, e Luís Gonçalves, ambos Cónegos da mesma Colegiada; eles o repreenderam diante de outras mais pessoas, da perseguição que fazia aos tais privilegiados, e que se naquele negócio continuava, se guardasse a ira de Deus. Ao que ele respondeu, que não era o diabo tão feio como o pintam, que em quanto vivesse, (sem embargo do que lhe diziam) não havia de cessar, nem abrir mão disso. A qual palavra ele não tinha acabado de pronunciar, quando repentinamente caiu quase morto em terra, e com a fala de todo perdida, e rosto tão disforme, que mais parecia fantasma horrendo, que homem, e assim foi levado a sua casa, onde logo espirou.

Foi este cadáver levado à sepultura, ao Convento de S. Francisco, onde se seguiu outro sucesso não menos maravilhoso: porque morrendo sua mulher depois de trinta e três anos, se mandou enterrar no mesmo jazigo, o qual sendo aberto para esse efeito, se achou nele o corpo de seu marido todo inteiro, e somente com o gorgomil gastado, e as mortalhas. Foi assim tirado fora da cova, e posto à vista de todo o povo, encostado à parede da Igreja até ir o corpo de sua mulher, para ser enterrado na mesma sepultura, onde foi outra vez sepultado o desforme, e feio cadáver. E para exemplo, dispondo-o assim Deus, para que conhecesse o mundo todo, o quanto a Senhora quer que sejam honrados, e estimados os que a servem, e conservados os seus privilegiados nas honras, e privilégios, que por seu respeito se lhes concederam, se mandou naquele lugar tão público retratar naquele miserável estado, aquele seu perseguidor, e escrever em pergaminho aquele prodigioso sucesso, para se conservar no arquivo daquela Real Casa. Da Senhora da Vitoria escreve o Padre António Carvalho da Costa, em sua Cronologia Portuguesa tom. I lix. I cap. 13 e outros muitos, como se vê do título da Senhora da Oliveira acima. (Santuário Mariano Tomo 4, pág. 188 e seg.)

FRASES DO SANTO CONDESTÁVEL DE PORTUGAL

Altar mor da igreja do Santo Condestável (1951)

"Que há-de ser do Reino, que assim fica deserto? Quem o há-de defender de alguns se contra ele quiserem ir?"

"Deus não queira que por dádivas e largas promessas vá contra a terra que me criou; mas antes despenderei meus dias e espargerei meu sangue por amparo dela".

"Não cumpre que por vosso aso se perca a Cidade, e o Reino seja posto em aventura. A qual coisa, pois verdadeiro português, sois, não vos deve consentir o coração".

"E mais vale pôr-se o Mestre [de Avis] em aventura com eles todos e pelejar com El-Rei (…) [estrangeiros] que ficarem sujeitos a (...) [rei estrangeiro]".

"Portugal sempre foi Reino e isento por si e não sujeito (…), e ora não é a razão de o ser".

"(...) temos justa querela e razão dereita para defender nossa terra (...)".

"(...) ainda que fosse contra todos los reis do mundo, ele [o Mestre] deve de continuar a sua defensão e de todos aqueles que lhe som sujeitos (...)"

"(...) que defender vossa terra e bens, o que dereitamente sois teúdos de fazer".

"Na outra cousa em que duvidais segundo parece, que é a vinda de meus irmãos em sua campanha, isto nom temais per nenhuma guisa, nem Deus nom quisesse que nenhum per mim fosse enganado; cá eu nom os hei por meus irmãos em esta parte, pois que vêm por destruir a terra que os gerou; e nom digo contra meus irmãos, mas em verdade vos juro que, ainda que i viesse meu padre, eu seria contra ele (...)"

"Ah! Portugueses! Pelejai, filhos e senhores, por vosso rei e por vossa terra!"

14/08/18

ALJUBARROTA - VÉSPERAS DE ASSUNÇÃO

D. João I perante Nossa Senhora da Oliveira, a quem faz voto de construir um Mosteiro se Ela lhe desse a vitória.

Entender a vitória de Aljubarrota é entender o que nos compete do nosso lado:

- O sinal de Deus para defendermos Portugal das pretensões exteriores;

- A confiança em Deus para fazermos o que nos compete  (… e a Ele cabe considerar as recompensas "victórias");

- Deus pode fazer vencer o fiel mais débil, sobre um maior fiel menos justo;

- A vitória começa pela fidelidade e confiança em Deus;

- Ao exemplo do Santo Condestável, a batalha começa e fundamenta-se de cada qual consigo mesmo (este Nobre era um exemplo de integridade e de grande virtude).

- A defesa daquilo que é nosso é a nós que Deus incumbe.

Por outro lado, também há que considerar:

- O orgulho e a vaidade não são cavalo que se monte;

- Não adiantam santos aparatos se a verdade e a justiça ficar em causa;

- Mais vale pouco e certos, que muitos e errados;

- As honras e dignidades não decidem batalhas católicas.

03/08/18

CATECISMO e catecismos


De forma muito resumida, apenas em tom de urgente aviso a incautos, o blog ASCENDENS repete hoje aquilo que seu autor sempre anunciou pelos vários locais de discussão:

- Os vários catecismos não têm todos o mesmo valor;

- Entre todos, podemos destacar dois grandes grupos: a) o Catecismo Romano, b) e as aplicações, desdobramentos, etc. nas versões posteriores, as quais inequivocamente têm promulgação mais modesta;

- Entre este último grupo há a destacar os casos "problemáticos", ou seja, os catecismos que são fruto da tentativa de submeter a Doutrina tradicional da Igreja a uma visão baseada no Concílio Vaticano II; situação que acaba por inverter a ordem própria, que é a Doutrina segundo a Tradição como regra e guia de interpretação católica, seja ela pastoral, jurídica, disciplinar etc.

- Estamos seguros quanto ao Catecismo, por dois motivos: a) porque seguimos a mais autorizada e experimentada "versão" anterior ao tempo dos complicados labores pós-conciliares: Catecismo Maior de S. Pio X (com as explicações e exemplos), b) porque não retirámos ao Catecismo Romano o seu lugar ímpar entre os catecismo, ou seja, que este é O Catecismo. (são estas considerações formais, e não meras recomendações que necessitariam de outro tratamento).

Lembramos que ao Papa é dado o poder para GUARDAR, DEFENDER, ENSINAR a mesma Doutrina, Moral e Costumes, e NENHUM poder lhe foi dado para nestas matérias inovar (cf. Concílio Vaticano I).

29/07/18

CONTRA FACTOS ... Os fósseis

Não somos criacionistas, e muito menos evolucionistas. Cientificamente perguntamos aos evolucionistas pela prova científica da sua convicção, e aguardamos ainda. Não encontrámos ainda discrepâncias entre a realidade e aquilo que a  ciência (conhecimento) por via da Revelação nos legou.

Os fósseis podem ser criados em um dia, apenas com calor e pressão.

Não é que recomendemos o canal, mas é a explicação mais resumida que encontrámos:


12/07/18

"ONDE ESTAVAS EM 2009?"


É por vezes impossível transmitir mensagens sem pisar o que não queremos, ou não podemos. Para evitar isso, a esmagadora maioria dos leitores terá de perdoar-nos este artigo, que é escrito só para alguns entenderem. Finuras da comunicação.


Diálogo Imaginado Entre Duas Pessoas Não Existentes

Pablo - Onde estava ele em 2009?

João - Estava na Argentina, em La Reja.

Pablo - Pois, é verdade. Agora lembro-me. Ele estava em 2009. Foi o ano em que Mons. De Galarreta foi para o Seminário de La Reja. Portanto, devem ter chegado os dois no mesmo mês.

João - Era então Superior do Distrito da América do Sul o Pe. Bouchacurt. Lembras?

Pablo - Sim, claro. Morava cá na Argentina.

João - Nesse tempo era também seminarista em La Reja o Pe. José Maria Jiménez, que agora é auxiliar em Portugal do Pe. Samuel Bon, embora raramente ande por cá.

Pablo - Sim. E o Pe. Samuel também por essas alturas estava na Argentina. Foi Prior em Mendoza.

João - Curioso…

11/07/18

FSSPX ELEGE REITOR DO SEMINÁRIO DE LA REJA SUPERIOR GERAL


Há momentos, a FSSPX elegeu o seu novo Superior Geral ao Pe. David Pagliarani, Reitor do Seminário de La Reja. (fonte)


08/07/18

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CDLXII

UM GRANDE EXEMPLO - Fotos

Um Arcebispo injustiçado e incompreendido, mas amado e respeitado quando conhecido.

Colectânea de 95 fotos "Marcel Lefebvre (1905 - 1930)"


04/07/18

NA SERRA ALTA - À Autoridade Compete


"..., pois na sociedade cristã é à legítima autoridade a quem compete o restabelecimento da ordem. Não dá Deus substitutos em duplicidade, mas reforça com graças extraordinárias aos justos desamparados."

(na serra alta - J. Antunes)

O DEVER DA OBEDIÊNCIA MAIOR

Alfredo Pimenta, converso e com um percurso ao verdadeiro Tradicionalismo
"Estou onde estou, não por benefício pessoal, para conveniência própria, mas porque entendo que sirvo, assim, melhor, a Causa de Deus e a Causa da Pátria, que a Causa do Rei representa.

Diz o snr, Bispo de Bragança infalivelmente ingénuo: - é da responsabilidade do General a divisão que se dá entre os soldados obedientes e desobedientes ao Comando? É da responsabilidade de Deus a divisão que há entre os homens que cumprem os deus mandamentos ou conselhos e os que os não cumprem?

Ai snr. Bispo de Bragança! Snr. Bispo de Bragança! Não lhe tremeu a mão, do sacrilégio? Não se lhe partiu a pena, ao escrever a afronta? Então v. ex.ª Reverendíssima, por graça de Deus e da Santa Sé Apostólica, Bispo de Bragança, ousa comparar o comando do general, aos mandamentos e conselhos de Deus? São da mesma natureza o comando do General, e os mandamento e conselhos de Deus, para que a obediência que devemos a estes seja idêntica à que podemos dever àquele? Ai snr. Bispo de Bragança, snr. Bispo de Bragança - o que lhe vale é ser Bispo e eu católico…

Pois lho digo: é, sim, da responsabilidade do General, a divisão que se dá entre os soldados obedientes e desobedientes ao comando - , quando este é contrário à moral, à consciência, à recta razão."

(Alfredo Pimenta, de: a política do Centro Católico e a minha resposta ao Senhor Bispo de Bragança e Miranda, 1925) 

28/06/18

MÚSICA PORTUGUESA SACRA E RELIGIOSA DA ACTUALIDADE (IV)

(anterior: Tu és Pedro)

Fernando Lapa é um dos raros autores que, sendo cantado no geral das paróquias não é padre; é um compositor mais recente, e da Diocese do Porto.


Não é nossa intenção fazer publicidade ao compositor, mas sim a alguma obra que aqui possamos dar por exemplo. Como Suspira o Veado:



(a continuar)

MÚSICA PORTUGUESA SACRA E RELIGIOSA DA ACTUALIDADE (III)

(anterior, O Cordeiro que foi imolado)

"Tu és Pedro", do Pe. Manuel Simões (1924-1995) da Arquidiocese de Braga.

Seria mais apropriado se a letra tivesse permanecido em latim, por justa razão de sentido e unidade. Mas, provavelmente o original da composição esteja na língua da Igreja Romana.

São Pedro - Vasco Fernandes (Portugal, Viseu, 1475-1542)



(continuação, Como suspira o veado)

26/06/18

MÚSICA PORTUGUESA SACRA E RELIGIOSA DA ACTUALIDADE (II)

(anterior; Aproxima a tua mão)

Sé Catedral de Beja
Um dos cânticos modernos mais difundido em Portugal é "O Cordeiro que foi imolado", do compositor Pe. António Cartageno (Diocese de Beja), o mesmo do Hino dos Pastorinhos. Na versão que trazemos há um arranjo de João Henriques na parte instrumental.



(continuação, "Tu és Pedro")

MÚSICA PORTUGUESA SACRA E RELIGIOSA DA ACTUALIDADE (I)

Se não formos nós portugueses, quem o fará?

Inauguramos uma série de mostra de música sacra e religiosa de compositores portugueses da segunda metade do séc. XX em diante.

Portugal é de certo o país católico que melhor música sacra e religiosa na actualidade produz e reproduz nas paróquias. Evidentemente, há também casos opostos aos quais nem vamos da voz.

Apenas para os que não conhecem e são de fora, é conveniente dar uma explicação rápida de que existe em Portugal, por parte da Igreja um Secretariado Nacional que se encarrega da peritagem das músicas que, segundo a composição e a letra estão aptas para o Culto em Portugal.

Não sendo a intenção fazer promoção de tais entidades, achamos de proveito dar a conhecer algum repertório usado actualmente nas Dioceses portuguesas.

Em tempo oportuno faremos uma rigorosa explicação daquilo que é "música sacra" e "música religiosa", com rigor e certeza académicos, e poderemos fazer exemplos didáticos para que não mais um leitor confunda uma com outra, e também para que até eclesiásticos possam finalmente receber clareza onde ela tem andado em falta.

Igreja de Nossa Senhora da Lapa - Porto
Hoje trazemos aos leitores a composição "Aproxima a tua mão". O compositor é o Cónego Comendador DR. António Ferreira dos Santos (Diocese do Porto), por mérito cultural Comendador da Alemanha e Comendador de Portugal, Reitor da Igreja de Nossa Senhora da Lapa (Porto).



(continuação: O Cordeiro que foi imolado)

18/06/18

AS ACTUALIZAÇÕES DA CONTRA-CIVILIZAÇÃO

Sem grandes comentários, publicamos uma imagem enviada por um leitor:


Procurando por "quantos anos tem Portugal", o google responde que a FUNDAÇÃO de Portugal foi a 5 de Outubro de 1910, ou seja, a data em que Portugal passou a estar ocupado pela república.

O mesmo acontece na pesquisa pela fundação do Brasil: 7 de setembro de 1822

A Itália: 17 de março de 1861

A Espanha não aparece

Israel: 14 de maio de 1948

Já a Alemanha: 2 de fevereiro de 962

Os Estados Unidos são mais antigos que Portugal? Pois cá vai: 4 de julho de 1776

A Suíça: 1291

Suécia: 1397

Noruega: 872

Japão: 660 a.C.

Quem tiver inteligência, pense ...

11/06/18

OS "MILAGROSOS ACIDENTES" ESCULTÓRICOS - Portugal (I)

Nunca em Portugal houve tantos acidentes com monumentos … melhor, com estátuas.

Passemos primeiro os olhos pelo passado.

Em 1922 elementos da maçonaria/carbonária dinamitaram a Capelinha das Aparições.


A República Maçónica (1910) empreendeu a construção de um grande monumento ao desgraçado D. Sebastião José Carvalho e Melo (1º Marquês de Pombal, e Primeiro Ministro Régio), como o mais antigo e maior símbolo que em Portugal conseguiam fazer identificar como oposição à Tradição portuguesa (por eles chamada de "absolutismo"). Quando o Estado Novo iniciou o lamentável monumento estava já edificado, e veio a ser então inaugurado no dia de aniversário do Marquês: 13 de Maio; era o ano 1934. Isto foi muito polémico, houve manifestações e reacções populares, e a maçonaria foi um ano depois da inauguração proibida em Portugal; o monumento veio por fim a ser agraciado com explosivos, e restaurado logo depois (estas informações já foram mais fáceis de encontrar na internet há uns anos - cópias de documentos da época  [como não mais encontramos online imagens da notícia, solicitamos que os leitores as descubram e no-las enviem).

Inauguração pública, mas ocultada como sendo maçónica. Ou seja, foi uma imposição que tinha por base a maçonaria, mas publicamente anunciada como outra coisa qualquer. Não é portuguesa.
(a continuar)

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CDLIX

OS JORNAIS CALARAM - NOVAMENTE A ESQUERDA ESTRANGEIRA

Foi IDEOLOGICAMENTE atacada a identidade portuguesa, esta noite, depois do festivo dia 10 de junho: o monumento ao ESFORÇO COLONIZADOR (no Porto) foi vítima de bandistismo.

Meios do Partido Nacional Renovador (apenas!?) deram o alerta, NENHUM jornal parece ter dado conhecimento da triste ignobilidade.

Tendo em conta algumas informações que recolhemos, os fanáticos estavam mais uma vez ligados com a esquerdalha estrangeira (brasileira-africana, os mesmos de sempre), e foram três os mais directamente envolvidos no crime.

"Em comemoração da exposição colonial portuguesa no Porto. De 15 de junho a 30 de setembro de 1934". Deste monumento SEMPRE se orgulharam as gentes do norte, pelo bem que ele representa para Portugal e para sua extensão além-mar.


A "alta qualidade" que os define:


Na calada da noite, às ocultas da população querem animar a ignorância do "revisionismo obscuro" (ideologia que tem por fim fazer parecer culpada a nossa Civilização, e maus os seus princípios e feitos).


A insignificância das mãos deles, contra os bons feitos de toda uma civilização. O ridículo que incomoda pela sem razão!


O reviralho [palavra que os nossos antigos portugueses usavam para apelidar os comunistas] estrangeiro é nos seus lugares de origem contra-representante da identidade, é representante do desassossego, do desentendimento, e do ódio. Já agora… diz publicamente o que os pais proíbem às crianças:


Dos portugueses, então dentro e fora de Portugal:


Essa de "opressão" diz-nos nada em Portugal, mas é hoje muito usada com efeito pelos vermelhos [palavra generalizada em Portuga com a qual os nossos antigos chamavam à insignificante quantia comunista] no Brasil. Não adianta gritarem "opressão", que em Portugal é o mesmo que gritarem "parede". O motivo? Em primeiro, falta de realidade que sustente tal; em segundo, ainda não foi generalizada a mentira que leve a população a tal associação absurda.


O monumento ao ESFORÇO COLONIZADOR estava já necessitado de intervenção de restauro e preservação: a pedra já necessita de limpeza, a iluminação nocturna mostra-se agora insuficiente, aos letreiros gravados e pintados saltou já a tinta (o que os torna pouco visíveis), etc..  Portanto, agora que vai haver uma intervenção no monumento, é a ocasião mais adequada para a intervenção completa por parte da Câmara Municipal do Porto. 


Viva Portugal

07/06/18

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CDLVIII

EXCOMUNHÃO AO CARDEAL PAROLIN?


Uma vez que o Secretário de Estado Cardeal Pietro Parolin figura na lista de convidados do Cllub Bilderberg, cuja reunião terá início daqui a dois dias (09/06/2018 ao dia 12 - Turim), deveria o Papa dar aviso urgente com imposição de medidas condizentes, tais como:
- abster-se do convite;
- fazer diariamente, várias vezes ao dia prova inequívoca de não correspondência ao convite (provas públicas de que não se deslocou a Turim durantes os dias em que a reunião decorre);
- a desobediência ao afastamento atribuiria excomunhão automática.

Caso o Cardeal tenha autorização do Santo Padre, pelas altíssimas responsabilidades que o altíssimo poder papal está obrigado, Frâncico desocupe imediatamente a Sé de Pedro Apóstolo. Mas, se não houver autorização do Papa ao seu Secretário de Estado, e o Santo Padre não tiver usado de toda a sua autoridade e poderio (espiritual e temporal) para deter o Card. Parolin, deve igualmente proceder-se ao afastamento de Francisco. Poderia haver arrependimento do Papa? Sim, mas com reparação pública satisfatória, nomeadamente a condenação das sigilistas reuniões Bilderberg.

Se tudo de mau acontecer, o que Deus não queira, e o Papa não se afastar do cargo?

Até ao afastamento, ou reparação clara e satisfatória, deverão os fiéis católicos abster-se prudencialmente daquilo que é emanado pelo Santo Padre, rezar pela Igreja e pelo Santo Padre, afincar-se mais a:
Doutrina Tradicional (anterior aos demasiado "interpretáveis" textos do Concílio Vaticano II) ;
Terço diário, tal como era rezado quando  foi pedido por Nossa Senhora em Fátima;
Confissão bem feita, e recurso honesto e devido aos mais Sacramentos e tanto quanto possível (não cair no desprezo Sacramental "o sacramento pelo sacramento").

(neste momento reze três Avé-Marias)

TEXTOS ANTERIORES