01/01/18

ABRI O ANO COM "BOAS NOTÍCIAS"

Presépio "Simpsons)
O Santuário de Fátima tem cada vez mais "investimentos" e novidades, mas que, segundo o que se ouve e lê em comentários, está a tornar-se um espaço feio, e absurdo.

Para um órgão destes, e para um santuário tal, há que ter juízo adequado para escolher organista!
Recentemente, foi o "presépio Simpson" a fazer justiça ao "enriquecimento" cultural, que tem invadido o Santuário de Fátima nestes últimos anos. Mas esta invasão de marxismo cultural (sim... ) não fica apenas pela poluição visual, como ficou visto pela escolha e critérios do novo organista do Santuário: um jovem "fixe" que já provou a Portugal a ignorância de quem o colocou no cargo.


A investigação que fizemos revelou que uma única é a pessoa que está na base dos "novos critérios" artesanais... . Chama-se Marco Daniel Duarte, é Director do Serviço de Estudos do Santuário de Fátima, e do respectivo Museu (aqui). Certamente, o DR. Marco é muito organizado em suas ideias, muito fundamentado em autores, muito ágil e activo em seu trabalho, mas ideologicamente desviado do pensamento católico.

As queixas existem, crescem... e se isto não INVERTE e corrige, terá que ser responsabilizado quem para os cargos recrutou o DR. Marco!

24 comentários:

Josephvs disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Josephvs disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Ismael Hernández disse...

De facto, o Dr. MARCO DANIEL DUARTE é, actualmente e, a coberto da «protecçäo» do actual Vice-Reitor, quem se arroga «poderes» quase mais que os do próprio Reitor do Santuário de Fátima, porquanto é ele (e a sua Esposa [também lá funcionária]) quem pöe, dispöe e impöe, à margem de tudo e de todos, o que é ESCANDALOSO e INADMISSIVEL:
- isto é do conhecimento de Bispos, Padres, empregados e, até mesmo, de pessoas de fora do «santuário» (que, de Santidade... POUCO ou NADA TEM) e, na verdade, até ao momento, NINGUEM tomou quaisquer medidas p/ meter na ordem essa gentinha...
¿Será que a Autoridade Eclesiástica pretende ignorar o que se passa en Fátima? Se sim..., isso é ¡muito GRAVE!

ASCENDENS ASCENDENS disse...

Caro Ismael Hernández Farinha,

obrigado pelo comentário.

Antes de mais, em nome da equipa ASCENDENS dou-lhe os agradecimentos no que toca ao seu bom e conhecido desempenho como organista do Santuário de Fátima durante tantos anos; mas mais ainda pela preocupação de seguir o modelo gregoriano e de defender a versão mais genuína do gregoriano (na linha de Solesmes). Já agora, se de algum modo for possível, como católico português agradeço-lhe também pelos seus serviços em certo tempo ao culto tradicional decorrido nas capelas da FSSPX (em Portugal).

Obrigado pela confiança de vir aqui colocar o seu testemunho e parecer.

Volte sempre.

Fernando Liz disse...

o povo diz que "Gostos Não se discutem", mas...
Há Factos que são INDESMENTÍVEIS,
mesmo aplicando as normas do "Relativismo"

É um Facto Incontestável que graduadamente a Fealdade tem tomado conta do Santuário.

a) um Tocheiro que quando lhe dá o vento, parece o madeiro de Penamacor.
b) um edifício que custou 50 Milhões de euros, e que visto de fora, parece uma Praça de Toiros (aliás o Campo Pequeno é mais bonito).
c) um Cristo enferrujado (cá fora), que parece um gafanhoto (sem desprimor para os gafanhotos)
d) um Cristo lá dentro que é um Mamarracho.
e) e agora um Presépio com figuras assexuadas, que além de feias, promovem uma mensagem ideológica, porque é mais do que evidente que está a abrir a porta à família "Alternativa"

Todos os que disserem que o "Rei-vai-nu", são logo catalogados como:
"Ultra-Conservadores"
"Falsos Católicos"
"Fanáticos Religiosos"
"gente que não compreende a mensagem"

ASCENDENS ASCENDENS disse...

Caro Fernando Liz,

obrigado por comentar. É como diz.

http://www.dailymotion.com/video/x38krh

Volte sempre.

Ismael Hernández disse...

JAN/2018

Caros Srs. da equipa de «ASCENDENS»:

Ainda a propósito dos vários casos de prepotência e abuso de poder ocorrentes no «santuário» de Fátima, tive conhecimento, há umas semanas atrás (uns días ainda antes do Natal)de que o P. Administrador dessa Instituiçäo também foi "sacudido" -passe o termo...-.
Ora bem: se "isto" sucede com o próprio Administrador (que acumula, igualmente, o cargo de Ecónomo de toda a Diocese de Leiría/Fátima...), ¿que dizer de un mero e simples Organista, ou de qualquer outro subalterno como eu...?
Fátima está, actual e infelizmente, entregue a lobos vorazes que ñ hesitam en espezinhar o próximo para obter os seus fins, como é o caso desse Dr. Marco Daniel e sua Esposa & etc, etc...

Por tanto, ou a Autoridade Eclesiástica toma medidas para por na ordem esses "meninos" abusadores e prepotentes, ou entäo, muito en breve, o «santuário» tem os días contados, porquanto ñ poderá ir longe, tendo as pessoas ERRADAS nos lugares ERRADOS.

C/ os meus melhores cumprimentos e votos de un BOM ANO' 2018, me subscrevo, muy atentamente,
Ismael Hdez. Fariña.

Ismael Hernández disse...

16-JAN-2018

Caros Srs. da equipe de «ASCENDENS»:

C/ os meus cumprimentos, junto Vos envío, c/ a devida autorizaçäo do autor, o texto intitulado «O MEU DEPOIMENTO», de LUIS COELHO, a propósito do que se passa no «santuário» de Fátima, sob o aspecto «musical» (como o texto é extenso, o mesmo tem que ser repartido en blocos, de modo a permitir a sua aceitaçäo no V/ blog).

Muy atentamente,
Ismael Hdez. Fariña.

Ismael Hernández disse...


«O MEU DEPOIMENTO

Ao aproximar-se o fim deste ano 2017, ano em que ocorreu o primeiro centenário das Aparições de Fátima, e estando já concluídas as celebrações comemorativas, não poderia, nem deveria – a bem da verdade – faltar, publicamente, com o meu depoimento. A tal me obriga não só a rara gravidade dos factos, mas também a dimensão do escândalo que conspurca a imagem daquele lugar que é, metaforicamente, chamado “altar do mundo”.

No passado mês de Março ficou vago o lugar de IIº organista do Santuário de Fátima. Quem ocupava este lugar, desde Abril de 1991, era o Ismael Hernández, aluno do nosso saudoso Professor Antoine Sibertin-Blanc e da Professora D. Júlia d´Almendra, no Centro de Estudos Gregorianos. As circunstâncias do seu afastamento, compulsivo e injusto, foram denunciadas, pelo próprio, junto das autoridades eclesiásticas competentes, sem que, todavia, tivesse tido, até ao momento, qualquer resposta.
Ora, para o preenchimento desta vaga o Santuário abriu um concurso público. Depois de muito ponderar, e tendo analisado os prós e os contras, decidi, embora com muitas reservas, enviar o meu “curriculum”.
Ser organista em Fátima não seria para mim uma novidade. A minha primeira experiência como organista substituto do Santuário foi em Setembro de 2006, quando terminei o IIIº Curso Nacional de Música Litúrgica e fui convidado, pelo Pe. Artur Oliveira, na altura Director do Coro e responsável pela Música do Santuário, para fazer as férias dos organistas Nicolas Roger (na altura, organista titular) e Ismael Hernández (IIº organista). Tal experiência veio a repetir-se nos anos subsequentes.

No dia 6 de Julho, fui contactado, por telefone, pela responsável dos recursos humanos, para saber da minha disponibilidade para uma entrevista, presencial, no dia 19 desse mesmo mês de Julho, às 17 horas, na Reitoria, e uma prestação de provas, na Missa das 18:30, na Basílica. Segundo indicação dessa senhora, na entrevista, estariam presentes, como elementos integrantes do júri, além dela própria, o Vice-Reitor, o organista titular e o director artístico do Santuário. Quanto à prestação de provas, e tendo eu perguntado em que consistia, a responsável dos recursos humanos respondeu-me: “-Não será nada que não esteja à sua altura, e o nosso organista titular estará presente para lhe dar as indicações necessárias.”

[continúa]

Ismael Hernández disse...

[continuaçäo]:

Tendo chegado o dia e o momento da entrevista, constato que um dos elementos do júri, o Vice-Reitor, não estava presente. A responsável dos recursos humanos começou por agradecer-me o ter enviado o meu “curriculum” e candidatar-me à vaga para organista e descreveu-me, pormenorizadamente, em que consistia tal função. A restante parte da entrevista foi conduzida pelo director artístico do Santuário. Cedo apercebi-me de que quem me fazia as perguntas tinha um conhecimento muito diminuto dos assuntos, próprio de quem nunca os estudou nem sequer sabe do que está a falar. Que saberia esse senhor sobre Canto Gregoriano ou sobre a Música para Órgão de J. S. Bach, para elencar apenas alguns dos temas de que falei? Não seriam tais questões o reflexo da incompetência em matéria musical? Que autoridade e que poder tem este senhor no Santuário? Quem lhe deu esse poder? Como é admissível que a entrevista para selecção de um organista, e, portanto, de alguém que participa activamente nos actos litúrgicos, decorra sem a presença de um único membro do clero do Santuário? Sobrepor-se-á o director artístico à autoridade do Reitor do Santuário?

Relativamente à prestação de provas, durante a Missa das 18:30, a primeira parte, desde o Cântico de Entrada até à improvisação do Ofertório, foi tocada por um outro candidato, tendo eu tocado a segunda parte, desde o Sanctus até à improvisação final. Junto ao Órgão, esteve o organista titular, dando-nos as indicações de registação e do programa.
Terminada a Missa, junto à porta que dá acesso ao Órgão, a responsável dos recursos humanos e o director artístico do Santuário agradeceram-nos e disseram-nos que, em breve seriamos contactados.

No dia 7 de Agosto fui contactado, telefonicamente, por uma funcionária do Santuário que me anunciou: “optámos por uma outra pessoa.” A “outra pessoa” chama-se José Davide Barros e não é organista; é "nadador-salvador".

[continúa]

Ismael Hernández disse...

[conclusäo]:

De joelhos em terra, agradeço, infinitamente, por não ter sido seleccionado, pois, de outro modo, a minha trasladação para Fátima seria o mesmo que ir para o inferno, dado o ambiente nefasto que se respira naquele lugar. Esta mesma constatação me fizeram alguns amigos.

Felizmente, já não vive o primeiro organista e capelão do Santuário, o Dr. Gregório! Que diria se visse o Santuário entregue aos lobos?
Infelizmente, depois de mais de vinte e cinco anos, o Ismael Hernández teve de deixar o seu lugar de IIº organista para, hoje, estar ocupado por um "nadador-salvador".

Passou o centenário! O inimigo logrou o que queria; silenciou a Mensagem. Onde está a penitência e a oração? Destruiu a arte. Que é aquele mamarracho e aquele adamastor cruxificado? Aniquilou a música. Que são aquele culto da dissonância e aquelas aberrações harmónicas a que nos querem habituar?

Está a chegar a hora, e já chegou, de denunciar, vigorosamente, tremendamente, a ocupação do Santuário por forças estranhas à Igreja Católica!

Luís Coelho».

_______________________


Muy atentamente,
Ismael Hdez. Fariña.

Ismael Hernández disse...



C/ os meus cumprimentos ec/ a devida autorizaçäo do autor, junto envío à equipe de «ASCENDENS» o artigo intitulado «O MEU DEPOIMENTO», de Luis Coelho, a propósito do nível «musical» do «santuário» de Fátima (o artigo vai dividido en "blocos", por causa da sua extensäo).

Muy atentamente,
Ismael Hdez. Fariña.



O MEU DEPOIMENTO

Ao aproximar-se o fim deste ano 2017, ano em que ocorreu o primeiro centenário das Aparições de Fátima, e estando já concluídas as celebrações comemorativas, não poderia, nem deveria – a bem da verdade – faltar, publicamente, com o meu depoimento. A tal me obriga não só a rara gravidade dos factos, mas também a dimensão do escândalo que conspurca a imagem daquele lugar que é, metaforicamente, chamado “altar do mundo”.
No passado mês de Março ficou vago o lugar de IIº organista do Santuário de Fátima. Quem ocupava este lugar, desde Abril de 1991, era o Ismael Hernández, aluno do nosso saudoso Professor Antoine Sibertin-Blanc e da Professora D. Júlia d´Almendra, no Centro de Estudos Gregorianos. As circunstâncias do seu afastamento, compulsivo e injusto, foram denunciadas, pelo próprio, junto das autoridades eclesiásticas competentes, sem que, todavia, tivesse tido, até ao momento, qualquer resposta.
Ora, para o preenchimento desta vaga o Santuário abriu um concurso público. Depois de muito ponderar, e tendo analisado os prós e os contras, decidi, embora com muitas reservas, enviar o meu “curriculum”.
Ser organista em Fátima não seria para mim uma novidade. A minha primeira experiência como organista substituto do Santuário foi em Setembro de 2006, quando terminei o IIIº Curso Nacional de Música Litúrgica e fui convidado, pelo Pe. Artur Oliveira, na altura Director do Coro e responsável pela Música do Santuário, para fazer as férias dos organistas Nicolas Roger (na altura, organista titular) e Ismael Hernández (IIº organista). Tal experiência veio a repetir-se nos anos subsequentes.
No dia 6 de Julho, fui contactado, por telefone, pela responsável dos recursos humanos, para saber da minha disponibilidade para uma entrevista, presencial, no dia 19 desse mesmo mês de Julho, às 17 horas, na Reitoria, e uma prestação de provas, na Missa das 18:30, na Basílica. Segundo indicação dessa senhora, na entrevista, estariam presentes, como elementos integrantes do júri, além dela própria, o Vice-Reitor, o organista titular e o director artístico do Santuário. Quanto à prestação de provas, e tendo eu perguntado em que consistia, a responsável dos recursos humanos respondeu-me: “-Não será nada que não esteja à sua altura, e o nosso organista titular estará presente para lhe dar as indicações necessárias.”

[continúa]

Ismael Hernández disse...

[continuaçäo]:

Tendo chegado o dia e o momento da entrevista, constato que um dos elementos do júri, o Vice-Reitor, não estava presente. A responsável dos recursos humanos começou por agradecer-me o ter enviado o meu “curriculum” e candidatar-me à vaga para organista e descreveu-me, pormenorizadamente, em que consistia tal função. A restante parte da entrevista foi conduzida pelo director artístico do Santuário. Cedo apercebi-me de que quem me fazia as perguntas tinha um conhecimento muito diminuto dos assuntos, próprio de quem nunca os estudou nem sequer sabe do que está a falar. Que saberia esse senhor sobre Canto Gregoriano ou sobre a Música para Órgão de J. S. Bach, para elencar apenas alguns dos temas de que falei? Não seriam tais questões o reflexo da incompetência em matéria musical? Que autoridade e que poder tem este senhor no Santuário? Quem lhe deu esse poder? Como é admissível que a entrevista para selecção de um organista, e, portanto, de alguém que participa activamente nos actos litúrgicos, decorra sem a presença de um único membro do clero do Santuário? Sobrepor-se-á o director artístico à autoridade do Reitor do Santuário?
Relativamente à prestação de provas, durante a Missa das 18:30, a primeira parte, desde o Cântico de Entrada até à improvisação do Ofertório, foi tocada por um outro candidato, tendo eu tocado a segunda parte, desde o Sanctus até à improvisação final. Junto ao Órgão, esteve o organista titular, dando-nos as indicações de registação e do programa. Terminada a Missa, junto à porta que dá acesso ao Órgão, a responsável dos recursos humanos e o director artístico do Santuário agradeceram-nos e disseram-nos que, em breve seriamos contactados.
No dia 7 de Agosto fui contactado, telefonicamente, por uma funcionária do Santuário que me anunciou: “optámos por uma outra pessoa.” A “outra pessoa” chama-se José Davide Barros e não é organista; é "nadador-salvador".
De joelhos em terra, agradeço, infinitamente, por não ter sido seleccionado, pois, de outro modo, a minha trasladação para Fátima seria o mesmo que ir para o inferno, dado o ambiente nefasto que se respira naquele lugar. Esta mesma constatação me fizeram alguns amigos.
Felizmente, já não vive o primeiro organista e capelão do Santuário, o Dr. Gregório! Que diria se visse o Santuário entregue aos lobos? Infelizmente, depois de mais de vinte e cinco anos, o Ismael Hernández teve de deixar o seu lugar de IIº organista para, hoje, estar ocupado por um "nadador-salvador".
Passou o centenário! O inimigo logrou o que queria; silenciou a Mensagem. Onde está a penitência e a oração? Destruiu a arte. Que é aquele mamarracho e aquele adamastor cruxificado? Aniquilou a música. Que são aquele culto da dissonância e aquelas aberrações harmónicas a que nos querem habituar?
Está a chegar a hora, e já chegou, de denunciar, vigorosamente, tremendamente, a ocupação do Santuário por forças estranhas à Igreja Católica!

Luís Coelho».

Pedro Carlos Barros da Silva disse...

Fátima deveria ser um exemplo(bom) do que de melhor se faz pela musica sacra e virada para a eucaristia em Portugal. Mas o facto é que todo o trabalho que tem sido realizado, e falo em termos organisticos, está a ser desbaratado como quem sacode a toalha... Do pouco que posso opinar, sempre houve compositores que contribuiram com composições para o Santuário. Por ex. o Hino do Cinquentenário de Manuel Faria entre outras composições de cariz mais popular e que nos acompanhavam na fé. Eu pelo menos ficava todo contente quando punham os discos com cânticos Marianos nos altifalantes exteriores das Igrejas um pouco por todo o Minho na altura das festas de aldeia. Que bom!! Tudo isso ajudava a seguir um caminho musical e a termos os nossos ideais enquanto músicos e organistas nas nossas paróquias. Daí também fazerem parte alguns mitos e ídolos também!! Eu tive o prazer de conhecer um!!☺ e estarei eternamente grato por isso. O meu ídolo (organista) afinal não era um Deus mas uma pessoa como todos nós, com uma paixão imensa pelo o que fazia, e idoneo no que se propunha a fazer: o melhor organista litúrgico em Portugal. Quando o vi tocar ao vivo fiquei rendido e tornou-se a minha estrelinha pela qual eu me guio. Pela registacao, acompanhamento, harmonia, condução de vozes em polifonia, acompamento de canto gregoriano!! Creme de la creme!!! Para mim o melhor!! No entanto esse organista nunca chegou a ser o 1o titular e por fim enxovalhado e afastado de uma forma vergonhosa. Fátima nunca primou pela música coral polifonica ou gregoriana e parece que nunca irá lá chegar enquanto os lobys estiverem instalados. Numa instituição como Fátima é uma vergonha e o que me tem chegado pelas redes sociais é de um mau gosto atroz. Menos progressismo e mais bom senso são necessários para um caminho correcto. Afastar desde já as maçãs podres e seguir um caminho mais ortodoxo. Desculpem o meu texto longo mas é com pena que olho para a presente e futura realidade musical em Fatima se nada for feito com urgência.

Ismael Hernández disse...


Caríssimo Sr. Barros da Silva:

Lí o seu comentário sobre a situaçäo CAOTICA da Música na Igreja en Portugal (e ñ só...) e pelos elogíos q faz a "un certo e determinado Organista" do «santuário» de Fátima (q, de Santidade, infelizmente, já POUCO, ou NADA tem...):
- por favor..., ñ exagere nos elogíos, porquanto, se se refere a mim (comparado c/ outros Organistas), fico muito aquém deles...

De qualquer modo, obrigado pelo seu comentário e, aproveito a ocasiäo p/ o informar q já ñ estou ao serviço do «santuário», desde MAR/2017, tendo o contrato cessado a 30-ABR-2017:
- actualmente, estou «reformado», embora ñ deixe de tocar, quando sou solicitado p/ tal.

Cumprimentos.
Ismael Hdez.

Ismael Hernández disse...


20-JAN-2018

Caro Sr. Pedro Oliveira:

A respeito do estado actual da Igreja en Portugal (e que já vai compreender qual a sua relaçäo c/ o «santuário» de Fátima), há un GRAVE problema que se pöe:

- no transacto Ano' 2017 ficaram vacantes 8 Dioceses (já ñ falando da do Porto, c/ o óbito inesperado e, en circunstâncias un tanto ou qto dúbias, da morte do seu Bispo...); ora, perante tal "panorama", há que nomear, pelo menos, 8 novos Bispos, p/ cada uma dessas Dioceses (parece que a do Porto já tem Bispo, segundo me constou). Mto bem; no entanto, vejamos:

- o actual Reitor do «santuário» de Fátima (e isto consta, "a boca llena", no «santuário» e ñ só [e, o próprio Reitor deve saber]) é un dos prováveis sacerdotes q, mto en breve, será nomeado BISPO. Se tal suceder (o q Deus ñ permita...), ¿quem lhe sucederá no Reitorado do «santuário»? ¡Nada mais nada menos q o actual Vice-Reitor (personagem detestável q, já no Seminário, tinha fama de "déspota"...! ¿Como é que é ordenado Sacerdote un indivíduo dessa espécie?...).

E, se o Vice-Reitor ascender ao cargo de «Reitor», en face da mais que provável nomeaçäo do actual Reitor p/ Bispo, ¿quem irá p/ Vice-Reitor? ¡Nada mais nada menos que o Dr. Marco Daniel, o que sería a DESGRAÇA DAS DESGRAÇAS daquela Instituiçäo...

Há que IMPEDIR isso A TODO CUSTO... (daí, as cartas, comentários, artigos e denúncias à Autoridade Eclesiástica, p/ que se tomem as medidas necessárias p/ restabelecer a ordem, ñ só no «santuário», mas também na própria Igreja).

C/ os meus cumprimentos,
Ismael Hdez.

ASCENDENS ASCENDENS disse...

Caro Ismael Hernandez,

obrigo por comentar, sobretudo pelo seu testemunho e opinião.

Internacionalmente é inegável que a Igreja em Portugal é a menos preocupante, o mesmo se diga dos portugueses em geral. Contudo, parece evidente que em todos os quadrantes houve em Portugal um especial "ataque" em 2016 e 2017. É de recordar que houve uma renovação da consagração de Portugal ao Imaculado Coração de Maria feita pelo Card. Patriarca de Lisboa em conjunto com todos os Bispos de Portugal (o que teria sido sem ela!?).

Já fui informado que o falecido Bispo Senhor do Porto preocupou-se com o caso do Santuário de Fátima, tendo tomado algumas medidas, e que coincidiu depois a sua morte por ataque cardíaco. Já outra informação agrega que este estava a abrir a porta à Missa tradicional permitindo na própria Catedral a celebração de duas Missas Tridentinas (realizadas); e havia já na mesma diocese o caso da permissão em Argoncilhe para a Missa mensal Tridentina, desde 2009, e permitindo que o Padre fosse da FSSPX (já do tempo em que o Bispo era o actual Card. Patriarca de Lisboa) - nestes anos mais recentes o Arcipreste aceitou a renovação para a continuidade da dita Missa na capela paroquial, depois de uma conversa com o actual superior da Casa Autónoma das Espanhas (FSSPX). Ora, ligam toda esta abertura litúrgica e a preocupação com Fátima a uma "morte provocada". Assuntos que me superam altamente, e que só posso dar a conhecer desta forma muito secundária: em caixa de mensagem.

Mas que denúncia quer fazer do Dr. Marco Daniel!? ... e a quem!? ...

Acham alguns que estamos em tempos de combates exteriores, quando nem a própria casa conseguem manter! Estamos em tempos de SOBREVIVÊNCIA, não de expansão! Assim me parece...

Volte sempre.

Pedro Oliveira.

Ismael Hernández disse...

24-JAN-2018

Caros Srs. da Equipe de «ASCENDENS»:

A respeito do Dr. Marco Daniel, a única coisa de que me posso queixar é do modo como ele (e a sua Esposa também), abusa[m] e intromete[m]-se en funçöes que näo säo da sua competência, porquanto fora da área do[s] seu[s] sector[es], arrogando-se «poderes» quase iguais ou superiores aos do próprio Reitor, o que é escandaloso e inadmissível (tudo isso, c/ o «aval» do actual Vice-Reitor, o que é muito grave):
- nestes últimos tempos, houve bem mais de uma dezena de empregados (de vários sectores) que saíram do «santuário», por causa dessa gente, nomeadamente, o anterior Vice-Reitor e o antigo Director do Coro...

A verdade é que, tanto o Marco Daniel, como a Esposa, assim como o actual Vice-Reitor & etc... säo pessoas detestadas (já para ñ dizer odiadas), ñ só dentro do Santuário, mas também fora do mesmo, inclusive noutras Dioceses, nomeadamente, Guarda, Coimbra e Lisboa, além de Leiría/Fátima, òbviamente...

Ora, a denúncia sobre as arbitrariedades, animosidades e demais abusos de "poder" e prepotências, por parte dessa gentinha já foi por mim remetida, en devido tempo, para a Autoridade Eclesiástica, pelo que, a partir desse momento, a essa Entidade compete averiguar o que se passa no «santuário» de Fátima (e na própria Diocese, a donde parece que chegaram os "tentáculos" do poder «marconiano»), a fim de exigir responsabilidades, para por esses "meninos" na ordem, nem que, para tal, seja necessário impor a sua imediata, irrevogável e compulsiva demissäo.

Esta é a minha opiniäo e a da grande maioría dos funcionários da Instituiçäo e, até mesmo, de gente de fora...

C/ os meus melhores cumprimentos,
Ismael HDEZ.

ASCENDENS ASCENDENS disse...

Caro Senhor Ismael Hernández,

muito obrigado por mais um esclarecimento e depoimento. Na capela de S. José, lateral à Basílica, os "belos" vitrais são também do tempo do "Imperador" Marco? Ou são anteriores a ele?

Volte sempre.

Ismael Hernández disse...

24/25-JAN-2018

Caros Srs. da Equipe de «ASCENDENS»:

Para vos ser sincero, nunca entrei na Capela de S. José após as obras de "restauro" da Basílica, pelo que ñ posso afirmar se os vitrais que lá estäo, actualmente, säo dos tempos do antigo Reitor, ou se posteriores, ou seja, já sob a "égide" do «Imperador» Marco:
- sei que os vitrais que lá estavam antes eram bastante feios, mais tendo a ver c/ Numerología, que c/ Religiäo, muito menos a Católica (aliás, desde há tempos que o «santuário» se tem "modernizado" c/ autênticas aberraçöes que säo, ñ só un insulto a DEUS, mas também à piedade e devoçäo dos fiéis que, de boa fé, ainda lá acorrem, a depositar as suas ofertas, que, ao fim e ao cabo, säo o sustento de quem lá trabalha e dessas extravagâncias de mau gosto que, ùltimamente, têem "poluído" esse lugar que devería ser Sagrado).

C/ os meus melhores cumprimentos,
Ismael HDEZ.

Ismael Hernández disse...

Quando da visita do Eminentíssimo Sr. Cardeal Burke a Fátima, a mesma foi alvo de comentários insidosos por parte do Bispo Castrense, q classificou os Tradicionalistas de «pavöes de cauda armada», que têem «gestos Barrocos e bacocos» (D. Manuel Linda, in: Revista «VISÄO», de 25 a 31-1-2018).

Soube também q, quer na Basílica, quer no mamarracho (tipo "ovni") de Fátima, houve Missas Pontificais, segundo o Rito Tradicional do «Missale Romanvm»:
- espanta-me ¿como é q, no «santuário», cujas "normas" "proibem" q os Sacerdotes de fora celebrem a Missa Tridentina, foi "autorizada" a celebraçäo destas Missas en "território" do Santuário, mormente, na Basílica e no mamarracho? Quando da minha estadía no «santuário», os Sacristäes tinham-me informado q tinham "ordens Superiores" para impedirem q fosse celebrada a Missa antiga, de costas p/ os fiéis!!! (pasme-se), ao q lhes respondí q o Santuário ñ pode sobrepor-se às leis e/ou decretos emanadas[os] do Vaticano.

Por outro lado, en Mafra, a Missa foi celebrada segundo o novo «Ordo» (ou seja, o missal "cozinhado" por Bugnini c/ mais seis "pastores" protestantes...). ¿Como é possível?

E´ este o tipo de "mentalidade" q reina na igreja «post-conciliar»:
- deitar abaixo a essência da própria Missa da Igreja Católica e "abraçar" as modernices do chamado «progressismo»... E´ o fim do fim...

C/ os meus melhores cumprimentos,
Ismael Hdez. Fariña.

ASCENDENS ASCENDENS disse...

Caro Senhor Ismael,

obrigado por comentar.

Como sabe, é pior o homem que conhece a verdade mas faz o contrário, que um homem ignorante praticar o erro. Não sei até que ponto estamos a permitir o erro por batermos em homens que erram. Ou seja... cada vez mais vemos gente que "bate" em MODERNISTA, e cada vez menos batem no MODERNISMO.

É complexo ...

Volte sempre.

Ismael Hernández disse...

1-MAR-2018

Caros Srs. da Equipa de «ASCENDENS»:

Por esta vía, vos informo do falecimento da anterior Maestrina do Coro do «santuário» de Fátima -Rita Pereira-, a 15-FEV-2018 (aos 35 anos de idade, víctima de cancer), assim como, da demissäo do seu Organista Titular, Prof. Joäo Santos:
- pelos vistos, naquele «santuário», eis mais uma pessoa "incómoda" p/ o Sr. «Marconi» e seus apaniguados, que acabou também por ter que se afastar, por causa desse ambiente envenenado...
¡Para un lugar -que, abusiva e impròpriamente- se intitula «Altar do Mundo», no que concerne a Caridade, amor ao próximo & etc... dá un "excelente" exemplo aos seus fiéis!

Cumprimentos.
Ismael Hdez.

Ismael Hernández disse...

¿¿¿Q soluçoes e/ou propostas p/ "salvar" o «santuário» de Fátima (e a própria Diocese à qual o mesmo pertence...) da hecatombe q se acerca, a passos largos???

Sería fácil, bastando -apenas e só- vontade p/ tal, começando, p/ já, pelo saneamento de alguns padres desse «santuário» e também, da própria Diocese; assim,

1.- substituiçäo do Bispo de Leiría-Fátima por un outro c/ pulso e garra p/ enfrentar certos detestáveis personagens do «santuário», q se arrogam "poderes" como q de «super Reitores» e ter a coragem p/ os escorraçar, en definitivo, daquele lugar. A pessoa indicada p/ tal, sería o Bispo Auxiliar de Braga, D. José Senra Coelho;
2.- substituiçäo imediata do actual «vice-Reitor» (por coincidência, também «Secretário» do actual Bispo de Leiría-Fátima...), mudando-o p/ uma paróquia lá p/ os «confins do mundo», donde ñ pudesse nunca jamais volter a envenenar o ambiente do «santuário». A pessoa indicada p/ tal cargo sería o P. José Baptista (antigo Director do «SEPALI», Serviço de Pastoral Lirúrgica), ou o P. Ricardo Nuno Lameira, actualmente, Prior en Alcácer do Sal, da Diocese de Evora. A substituiçäo do actual vice-Reitor traería a sua "troca" c/ a daquele q o viesse substituir;
3.- nomeaçäo de un padre encarregado da Música Litúrgica, a nível de TODA a Diocese, o qual sería assistido por dois assessores nesse ramo, assim como outro p/ a Liturgía.
P/ a Música Sacra, o P. Tiago (q concluiu o Curso Superior de Orgäo), tendo como assessores o Prof. Joäo Santos e o P. Artur Ribeiro Oliveira.
P/ a Liturgía, manter-se o P. Sérgio Henriques, actualmente, Director do «SEPALI» e da Liturgía, a nível de toda a Diocese.
4.- p/ os Serviços Administrativos e financeiros, o P. Cristiano Saraiva (actual Ecónomo de toda a Diocese e anterior Administrador do «santuário»), reavendo assim o cargo q lhe foi abusivamente usurpado pelo actual vice-Reitor -nomeadamente, no q concerne aos «Recursos Humanos»-, tendo como assessor o P. António Lopes Sousa (antigo Administrador do «santuário»).
5.- demissäo compulsiva do casal Marco Daniel Duarte/Carla Vaz e dos "organistas" Sílvio Carreira Vicente e José David[e] Barros, assim como do Eng.º de Som Joäo Maya;
6.- demissäo de toda uma série de indivíduos alí "metidos", a mando, ou sob pressäo do "imperador" Marco Daniel, ñ se sabendo, ao certo, p/ fazerem ¿o quê...?
7.- renovaçäo e disciplina TOTAL no «Grupo de Acólitos» do «santuário», assim como no q respeita a Leitores e outros q exerçam outros ministérios nas Acçöes Litúrgicas. P/ isso, criaçäo de uma «Escola de Ministérios» p/ a formaçäo de solistas, cantores, organistas Litúrgicos, Direcçäo Coral Gregoriana e Polifónica, Leitores, Acólitos e Ministros da Sagrada Comunhäo.

Eis, pois, o q há q fazer, URGENTEMENTE (e antes q seja tarde demais...), porquanto, a verificarem-se situaçöes de prepotência e abusos de "poder", por parte do Marco Daniel e outros "señoritos", o «santuário» ñ poderá ir longe, tendo as pessoas ERRADAS nos lugares ERRADOS.

Cumprimentos. Ismael Hdez.

TEXTOS ANTERIORES