07/01/17

PORTUGAL NÃO DEVE ESQUECER ...

Debate entre o bem e o mal? Não.... Debate no mal, entre o moderado e o extremado. 1975, debate televisivo
entre Álvaro Cunhal (comunista) e Mário Soares (socialista).
É conhecida a técnica revolucionária: dois passos para um lado, e um passo para o outro. Filha desta, uma outra, mais discreta: depois do golpe, dividir o mal em "moderado" e "extremado", para que a população preocupada adira ao "moderado", e com a sua adesão acabe por dar assentamento ao mal.
 
A respeito do programa televisivo "Prós e Contras", na ocasião em que se discutia o problema dos refugiados (melhor dizendo: o problema da Europa agravado por uma invasão muçulmana), ouviram-se queixas a respeito da escolha de convidados ao programa; e houve quem tivesse sugerido a mudança de nome de "Prós e Contras" a "Contras e Muito Contras", ou "Prós e Prós", ou "Prós e menos Prós".
 
Nunca esquecer esta técnica de quem está mais interessado em promover a sua máquina ideológica do que estar aberto e subjugado à verdade.

2 comentários:

Anónimo disse...

Dar um passo atrás, visando dar dois passos à frente em seguida.

Essa é a técnica dos revolucionários, tanto na política quanto na anti-igreja do anticristo instalada no Vaticano.

Geração após geração, a revolução avança um pouco, confiando na gradual dessensibilização do povo. O que hoje é mal, amanhã será discutível, depois aceitável com ressalvas, e por fim será a norma.

Fazem-se algumas concessões hoje para enfraquecer a resistência amanhã.

Ratzinger e os cardeais "dubia" são hoje tidos por muitos católicos como heróis da tradição. Homens que a menos de um século atrás, fizessem a metade do que fazem hoje, seriam prontamente advertidos; hoje, ao lado de um Bergoglio, parecem até bem rigorosos. Se a polêmica resultar em algum cisma, será apenas para estabelecer, mais uma vez, o mal menor como a nova ortodoxia. Assim a próxima geração estará pronta para aceitar um novo Bergoglio, aí com pouco ou nenhum escândalo, porque então este será apenas ligeiramente liberal.

ASCENDENS ASCENDENS disse...

"Anónimo",

obrigado pro comentar.

Quanto ao "à frente" e "a trás" gera-se sempre confusão, por "frente" pode ser entendida por "bem", ou pode ser entendida pela direcção a realizar segundo o projecto. Por isto, troquei por "passos ao lado", sem sequer dizer para qual dos lados. De todas as "combinações" a mais perigosa é aquela do artigo: dois passos para o mal, um passo para o bem; porque esta engana facilmente a população, que adere por julgar que está em "contra-revolução". Isto é MUITO IMPORTANTE que se entenda, e é um dos propósitos do artigo. Passo a explicar:

Há entre as maiores revoluções planeadas aquelas que se serviram de duas forças más, erradas(por exemplo, uma mais discreta e outra mais bruta). A bruta, porque é ruidosa, desagrada, causa impacto rápido, é lançada sobre a sociedade para provocar o descontentamento geral e a colocar a sociedade em movimento ou agitação, pronta a avançar; entretanto estava já previamente preparado um movimento, ou conjunto de acções, discursos, negócios, acordos etc. que se irão apresentar como movimento contrário (mas não em totalidade); este avança (geralmente distribuído em parcelas), promete afrontar e combater a força má ruidosa, ganha apoio significativo da população descontente (a força boa, da qual ainda não falei, costuma ficar aqui dividida entre os dos princípios, que permanecem, e os do pragmatismo ou activismo, estes não vendo tantas diferenças, ingénuos, rumam em direcção à força "anti-ruidosa" confundido a sua original postura com esta causa "contra-revolucionária"); etc. etc. a força ruidosa é "vencida"; dá-se um período comemorativo da grande vitória, faz-se participar muito a população e passar-lhe a ideia de que a victória é da comunidade etc.; assentam-se leis, acordos, tratos, e vinca-se assim a posição inicialmente planeada pelos malvados vista agora como a do bem, assente com o aplauso de boa parte da população, e tomam-se medidas contra os extremistas...... QUAIS!? ... os da força boa, porque são contra os que levaram a sociedade ao triunfo "benigno", e contra as forças ruidosas, criando a ideias de que o problema está em fazer ruído. Arte demoníaca, que não tem nada de novo, mas que continua a resultar. Este esquema é o pior de todos, porque faz assentar o mal como bem na sociedade, e anula com maior eficácia as vontades e inteligências.

Fala da "anti-igreja" e do Anticristo instalado no Vaticano ... enfim... E que tal ser mais claro/a ?

Quanto ao passado dos Cardeais, não tem que ser o presente. Nunca é boa ideia julgar as pessoas quando se pode apenas julgar os factos. Por isso, quanto à "duvida", acho que estão a agir com bom proceder, independentemente de serem eles liberais ou modernistas conservadores, ou modernistas progressistas, o que quer que seja...

Mas sim, é verdade que anda muita gente demasiadamente animada pelos Cardeais "tradicionalista"... Mas estes que os confundem como "tradicionalistas" certamente não sabem o que dizem a esse respeito.

Vote sempre.

TEXTOS ANTERIORES