27/12/15

MIX - NATAL PORTUGUÊS - ESCUTE E VEJA

Eis um recorte de Natal, em música e pintura portuguesas.

MÚSICA

O "Adestes Fideles", é uma composição de 1640 do Rei de Portugal D. João IV de Bragnça (ver aqui), então conhecido em Inglaterra como "hino dos portugueses":


PINTURA

"Um dos grandes símbolos religiosos, que retrata o Natal (...) é o presépio. De acordo com Rafael Bluteau e Cândido de Figueiredo, a palavra "presépio" provém do latim "praesepium", que genericamente significa estábulo, curral, lugar onde se recolhe gado e que, numa outra óptica designa qualquer representação do nascimento de Cristo, de acordo com os Evangelhos [Lucas 2:1 a 18 e Mateus 2:1 a 11]. O Presépio está profudamente representado na pintura portuguesa antiga. Passemos em revista essas representações, que incluem a adoração pelos pastores e a adoração pelos Reis Magos, as quais visualizáveis de uma forma cronológica." (fonte) Alguns quadros:


Jorge Afonso (em 1515)


Jorge Afonso (no séc. XVI)


Gregório Lopes (em 1577)


Gregório Lopes (no séc. XVI)


Vasco Fernandes (no séc. XVI)


Vasco Fernandes (no séc. XVI)


Frei Carlos (no séc. XVI)


André Reinoso (no séc. XVII)


Bento Coelho da Silveira (no séc. XVII)


Bento Coelho da Silveira (no séc. XVII)


Joséfa de Óbidos (em 1655)


Joséfa de Óbidos (em 1669)


André Gonçalves (no séc. )


André Gonçalves (séc. XVII/XVIII)


Domingos António Sequeira (em 1828)

2 comentários:

Anónimo disse...

Adestes Fideles:
1-Sem dúvida que é musica católica.
2-Sem dúvida que tem ligação a Portugal.
3-Contudo, a autoria não pertense ao rei D. João IV, segundo palavras de Rui Vieira Nery ( https://pt-pt.facebook.com/ruivieira.nery/posts/1066339063432609 ).

ASCENDENS ASCENDENS disse...

Caro Anónimo,

obrigado por comentar.

Embora não concorde com algumas das afirmações de Rui Vieira Nery, há outras de grande valor e que, pelo menos, colocam em dúvida o que aqui tem sido dito com certeza a respeito do dito hino.

Irei dedicar uma publicação para o texto referido.

Obrigado. Volte sempre.

TEXTOS ANTERIORES