09/06/15

CONVERSAS "BONITAS" - O PADRE E O LEIGO

Nuns comentários a uma imagem de rede social, houve reveladora conversa entre um sacerdote e um leigo, os quais comentavam umas fotografias. Transcrevo a conversa, mas usando nomes fictícios.


Eduardo Pereira - Igreja e estado não precisam ser inimigos, afinal, os dois querem o bem das pessoas.


José Cerejeira - Está mal, é sacrilégio, cometeu pecado (não culpável). O que poderia ter feito: colocar a mão aberta sobre a Hóstia, em concha, com os dedos no chão, para a proteger do vento e evitar tocar na Hóstia com a mão.

Em tempo em que os sacr
ilégios e profanação das Sagradas Formas são até recomendados pelo Clero, acontece disto. Cabe fazer uma pergunta: o Sacerdote não A teria largado para a colocá-La na mãozinha de alguém!?

Francamente... não entendo como é possível hoje o Clero promover sacrilégios e indiferenças para com Nosso Senhor, e nem sem dá conta disso, por ideologia entranhada que receberam e contrária ao que sempre a Igreja acreditou e praticou!


Eduardo Pereira - Bem, José Cerejeira, vc. estava nessa celebração? Viu se a hóstia caiu das mãos dele? Pelas imagens, isso não é possível perceber. Minha postagem foi: 1) acompanhei meu amigo [Padre] João Coelho e [Padre] Marcelista Finalino; 2) tenho liberdade para promover esse ou aquele sem lhe pedir licença; 3) essa não é a primeira nem será a última que o vento leva uma hóstia consagrada, mesmo no interior de nossas igrejas isso ocorre; 4) é muito feio julgar os sacerdotes porque acolhem políticos nas celebrações que têm direito de celebrar nosso senhor tanto quanto vc. ou eu. Assim, seja mais tolerante com os erros dos outros. Atire a primeira pedra não. Bom dia e que Deus te abençoe.


João Coelho - Bravo!
Andrzej Duda, presidente da Polónia, esteve presente na Missa do dia de Acção de Graças celebrada pelo Cardeal Kazimierz Nycz, arcebispo de Varsóvia. Num dado momento, já depois da consagração, o vento forte fez com que uma Hóstia consagrada voa
sse do altar e fosse parar ao chão. Nesse momento, o presidente polaco levantou-se, genuflectiu e apanhou a Hóstia.
De todas as autoridades presentes nos primeiros bancos, o presidente polaco foi o único a reagir. Os seus guarda-costas, que no princípio não entenderam o que se passava, aproximaram-se para ver o que fazia o presidente.
Além de apanhar a Hóstia do chão, tapou-a com as mãos e entregou-a ao Cardeal Nycz, que A recebeu com a reverência devida a Jesus sacramentado.
Aos 42 anos de idade, Andrzej Duda acabou de ganhar as eleições na Polónia, defendendo uma política de apoio à família e à natalidade, através de medidas sociais. Isto enquanto declara guerra aos contraceptivos, ao aborto e à fecundação in vitro.
in infocatolica


Eduardo Pereira - Obrigado pelo esclarecimento. Eu não estava na celebração e não conheço o presidente polonês, porém imaginei que jamais ele deixaria Jesus consagrado cair ao chão.


José Cerejeira 1 - As mão profanas não podem tocar em Nosso Senhor;
2 - Existem o meios próprios para sem sacrilégios e profanações retirar a Hóstia do chão;
3 - A profanação cometida pela dita pessoa, não dá pena de pecado, porque se trata certamente de pecado não culpável; mas é pecado.

4 - O que o profanador deveria ter feito era AVISAR RAPIDAMENTE o Sacerdote para que ele procedesse à remoção devida de Hóstia. No caso de haver vento, como parece ser o caso, podia o profanador tê-la protegido e VELÁ-LA (de joelhos), cobrir com algum lenço limpo, ou até colocar a mão sem tocar e da forma que eu já indiquei, etc...

João Coelho, já que não ensinaste aqui como se trata deste grave caso da queda das Sagradas Formas, pelo menos seria esperado que colocasses um "gosto". Como não colocaste, gostaria de saber o motivo!


Alzira Rocha Varela Diogo - Mas que polémica!


Eduardo Pereira - Desnecessária, não é?! Cada um olha de um ponto e vê de uma forma diferente. A questão é: tolerância com o ponto de vista do outro.


José Cerejeira -
Ou seja... por séculos o Sacerdote mantém o polegar e indicador juntos depois de ter tocado na Hóstia consagrada, para que não caia nenhuma Partícula. Agora os Senhores padres nada disto sabem, ou porque lhes dá na veneta abandonam com indiferença e cúmulo de sacrilégios. Como se não fosse pouco, incentivam a comunhão na mão, e ficam assustadíssimos ao conhecerem alguém que  comungue de joelhos! ... É, ou não é assim ?!

"... SACRILÉGIOS E INDIFERENÇAS COM QUE ELE HOJE É OFENDIDO..."

Senhor Padre Eduardo, a doutrina é "ponto de vista" na Igreja!? Para os sacrilégios e profanações deve haver "tolerância"!? O erro não tem direitos, recordo-lhe, nem há liberdade no erro; parece que o Senhor Padre quer dar direitos onde a Igreja os proíbe, e tolerância para o que deve ser condenado.

A VERDADE existe, todos os católicos estamos sujeitos a ela. Fora dela nenhum poder lhe foi dado para ensinar ou agir na Santa Igreja e em nome de Deus. Abandone os relativismos, Senhor Padre. Não pode tolerar o erro ...

Gostaria de saber qual é o seu Bispo e em que Seminário foi formado. Agradecido.

Eduardo Pereira - Olha, senhor José Cerejeira, não o conheço o suficiente, mas arrisco um palpite: o senhor tem uma cabecinha de ervilha! Acho que o senhor está muito equivocado com a Igreja que está despontando nesse novo horizonte com o pastoreio do Papa Francisco. Saia de Trento e venha para o Vaticano II; 

Puebla; Aparecida... por sermos uma Igreja mais aberta aqui no Brasil, não quer dizer que temos menos amor ou respeito a Deus ou às Suas coisas.

José Cerejeira - Senhor Padre Eduardo Pereira, espero que ainda não inovado e mudou de moral. Sabe que estão aqui em causa as crenças, doutrinas, e não as pessoas com cabeça de ervilha, ou com penteado bonito!...

O Senhor Padre diz: "A
cho q o senhor está muito equivocado com a Igreja que está despontando nesse novo horizonte com o pastoreio do papa Francisco." O que quer dizer realmente?! Quer dizer que a doutrina de sempre não é mais ou não será mais a mesma!? Que os dogmas não são mais os mesmos!? Que a moral não é mais a mesma!? Que a filosofia não é mais a mesma!? Que o Pensamento da Igreja não está mais sintetizado em S. Tomás de Aquino, por excelência!? Quer dizer que os Papas têm poder para inovar em Fé, Moral e Costumes!? Quer dizer que, por exemplo, os rigorosos critérios para as beatificações e canonizações não têm de ser os mesmos, pelo menos? Que coisa o Senhor Padre quer dizer exactamente com essa "abertura", e "novos pastoreios" relativamente a estes pontos que na Igreja sempre se acharam IMUTÁVEIS!? .... Pode explicar, por favor!?

"Saia de Trento e venha pra Vaticano II". Não podemos ignorar nem de um nem de outro, porque um e outro trataram das questões importantes com os graus de autoridade que cada qual quis se pronunciar: o Ecuménico Concílio de Trento, não pode ser desobedecido porque está promulgado com Infalibilidade. Quanto ao Concílio Vaticano II, tendo ele tido poder para se pronunciar infalivelmente, e definir dogmas, apenas se quis pronunciar a um nível mais modesto, pastoral, e nada nele há que seja NOVO E OBRIGATÓRIO; o que nele é novo não obriga, porque não foi definido nem procedia do Magistério Ordinário, nem da Tradição! O que Vossa Reverência propões, é inaudito: desobedecer a Deus por desautorização da Sua Santa Igreja (indo contra os pronunciamentos infalíveis de um concílio), e pôr DOGMATIZAR um concílio que apenas se pronunciou pastoralmente, e não definiu nada de novo. É isto que está propondo realmente!?

"por sermos uma Igreja mais aberta aqui no Brasil, não quer dizer que temos menos amor ou respeito a Deus ou às Suas coisas." O Senhor acabou de mandar todos os Concílios anteriores ao Vaticano II "para o lixo"! Ou é impressão minha?! E lá adiante, pelo que me pareceu, rejeitou o dogma da Infalibilidade Papal, promulgado por um Concílio anterior ao "meramente pastoral" Vaticano II, o Vaticano I, o qual, na dita definição explica que: ao Papa foi dada a assistência do Espírito Santo para nas matérias da Fé (doutrina), Moral, e Costumes, CONSERVAR, DEFENDER, e TRANSMITIR; e diz ainda, veja bem: NENHUM PODER lhe foi prometido para nestas matérias (doutrina e costumes) INOVAR. Ora, o Senhor Padre apoia o Papa Francisco PELAS INOVAÇÕES, e manda "para o lixo" os CONCÍLIOS TODOS (incluindo o Vaticano II TAL COMO foi promulgado, embora faça dele um DOGMA como ele não ousou fazer de si mesmo). Acha que a VONTADE DE DEUS está apenas nas excepções, e não na ORDINARIEDADE e na VERDADE IMUTÁVEL, que a Igreja sempre transmitiu sem contradição? Como se ama a Deus seguindo o que Deus não ensinou pela boca da Igreja, e rejeitando o que Deus ensinou como verdade pela boca da Igreja!?

Senhor Padre.... ou eu não tenho entendido muito bem suas palavras, ou devo concluir: o senhor não tem fé, porque para ter fé há que professar a mesma doutrina tal como a Igreja sempre a ensinou (e não de outra forma)... Parece-me pelo que diz, não ter fé!

Queira desculpar, mas é isto que parece tomando em conta o que a Igreja sempre ensinou.


Eduardo Pereira -
Obrigado pelo penteado bonito. Gosto também da beleza exterior... hehehe. Qeu o Deus que eu professo, te abençoe.Pensei que vc. fosse um padre ou um bispo, embora um pensamento tão arcaico e conservador... Não é comum leigos serem tão intolerantes com a doutrina engessada da Igreja. Que pena! Não se assuste, mas o tempo da cristandade já passou! O Vaticano II está sendo posto em prática aqui no Brasil. E aí em Portugal, está? 


José Cerejeira - Pe. Eduardo, mais vale a correcção de um leigo, que o silêncio de um Bispo!

"um pensamento tão arcaico e conservador." ... Não diria pensamento arcaico, mas sim intemporal: o que era, o que é, e o que há-de vir. O pensamento de V. Rev., pelo que aqui escreve, era erro, é erro (nunca está aprovado realmente), e será erro no futuro, porque não tem apoio no passado e o contradiz, porque é um pensamento não encontrado na Sagrada Escritura, nem do Magistério Infalível da Santa Igreja etc.. . O meu é um pensamento conservador!? Eu diria conservador... diria que é um pensamento tradicionalista. O conservador tenta manter o passado; o tradicionalista é aquele que se orienta pela Verdade Católica, e segundo ela transmite o que herdou, segundo ela aplica no presente, e transmite para o futuro (todo o passado que não é verdadeiramente bom, não é transportado para o futuro, nem praticado no presente, e deve ser eliminado quanto antes). O conservador, conserva; o tradicionalista conserva o que não fere a Verdade e transmite isso e os frutos disso. O Papa Pio XII disse que o católico é obrigatoriamente um tradicionalista! Mas, o que sugere afinal  V. Rev. ?! Sugere que sejamos o contrário, que deitaremos fora o passado!? O Concílio Vaticano II já passou, e o Senhor Padre insiste com ele, embora não segundo a modesta autoridade com que ele se quis pronunciar (essa parte já não quer)! Qual é o critério, afinal?! Afinal o critério é o de sermos conservadores do último dos concílios!? Qual o motivo para que isso fosse assim!? Onde estão inscritas essa regra ou crença que nos levariam a ter de fazer assim!? ...


V. Reverência tenha coragem de dizer perante todos, respondendo: Aceita realmente o Magistério Ordinário da Igreja e todos os Concílios!? É verdade que não está em cisma com a Santa Igreja quem cortado com o Magistério Ordinário Papal e com todos os Concílios anteriores!?

"Não é comum leigo tão intolerante com a doutrina engessada da Igreja." Eu que aceito todos os concílios com os graus de autoridade com que os mesmos se pronunciaram, sou "intolerante com a doutrina", e o Senhor que não aceita nenhum concílio, se acha tolerante!? ... Repare: se um ladrão rouba, estará a ser tolerante com a lei que proíbe o roubo!?... É tolerância arrasar com todos os concílios, e com todo o Magistério Ordinário, inclusivamente o Magistério Extraordinário Infalível (o caso do Dogma da Infalibilidade Papal).!? Como podemos ser tolerantes para as obrigações que temos? Isso não é tolerância, isso é indiferença ou desobediência, ou até cisma! Portanto, achará também intolerante o contrário: a ortodoxia com que a Santa Igreja agiu tão cuidadosamente por cumprimento da Vontade de Deus!

" Não se assuste, mas o tempo da cristandade já passou! " Passou sim; eis que em 1834 caiu o último Reino Católico às mãos do Liberalismo, o que prova que a Cristandade não pode existir estando todos nós governados pelos ilegítimos, em regimes impróprios, por leis anti-católicas que não foram talhadas à imagem do Magistério da Igreja nem da Lei divina. O Senhor Padre também aplaude a queda da Cristandade, em vez de lamentar a sua queda e a dá-la como modelo.  Implicitamente, nega assim a doutrina do Reinado Social de Nosso Senhor Jesus Cristo, a qual nos mostra como devemos lutar para que Cristo Reine nas nações! V. Reverência tem então muito por onde festejar: veja os estados antes católicos, hoje desfeitos e ocupados aprovando hoje leis do aborto, leis do "putimónio", concubinatos e divórcio, veja quanta "alegria" lhe poderão proporcionar assim os ocupantes actuais dos nossos Reinos Católicos! Se assim é, se não é ilusão aquilo que vi nas suas palavras, todos os que pensam igual então activa ou passivamente a trabalhar para edificação do Reinado Social do Anticristo; faça-o às claras, para que saibamos quem é quem!


Pai "venha a nós o vosso REINO"... Mas... o Senhor Padre regozija-se porque a Cristandade terminou! ... Vinde Senhor Jesus!

"O Vaticano II está sendo posto em prática aqui no Brasil e aí em Portugal, está?" Para saber aplicar um concílio que não definiu nada doutrinalmente, e tudo de novo o que tem não obriga, portanto, requer que a referência sejam todos os outros concílios, a Doutrina imutável, a Tradição! A PASTORAL, ferramenta falível, tem que ser uma serva fiel da Doutrina, caso contrário não seria católico aplicar uma ferramenta que ferisse, diminuísse, ou contrariasse a coisa veiculada, a Doutrina, moral, costumes, Liturgia, a Tradição... Logo, os senhores estão muito mal, porque invertem a autoridade documental: fazem do Concílio Pastoral um Concílio Dogmático, e fazem da Doutrina imutável um pormenor histórico que passou, ou que serve hoje para decoração. Para que serve tal concílio!? Boa pergunta ... É caso para dizer que não foi Deus que o quis, mas sim PERMITIU.

O que diria S. Tomás de Aquino!... Ele que reconheceu verdade em algum do pensamento clássico (que coisa antiquada...), como é o caso do "argumento ad hominem". Este tipo de argumento falso, por exemplo, também não ficando esquecido no tempo de S. Tomás, atravessou todos os tempos até hoje, e é ensinado, nos Seminários e formação do Direito. Não porque seja moda, não porque seja novidade, nem porque seja antiguidade, mas sim porque é uma constatação verdadeira e transversal a todos os tempos. Por acaso, também o argumento ad hominem é aquilo que V. Reverência tem usado até ao momento: em vês de considerar a coisa disputada, considera a pessoa que considera, como se isso fizesse desaparecer tudo e refutasse o oponente! A verdade aguenta cosméticos por muito tempo. Padre, repare na sua falta de argumentos, repare no desconhecimento destas matérias que são obrigatórias na formação de um Sacerdote; e é por isso que só lhe resta mal apostar no ad homeniem! Eis os frutos do "pos-concílio"!

Rogo a Deus que o converta. 



Eduardo Pereira - Vc acha mesmo que vou ler esses textos longos, enfadonhos, chatos..? Tenho mais o que fazer. Passar bem, sr. cabeça de ervilha. 


José Cerejeira - Senhor Padre, os meus comentários são também para quem os ler. As coisas de Deus e da Igreja são-lhe enfadonhas; aqui as poucas linhas, e muito resumidas, lhe parecem pesadas, enquanto que, para outros, até a versão descompactada é leve e saborosa.

"Onde está o teu pensamento aí está o teu coração; onde está o teu coração, aí está o teu tesouro." ... quem será o divino Autor?! [o Senhor Padre Eduardo bloqueou José Cerejeira antes desta última resposta]

3 comentários:

Gonçalo Miguel Aquino Oliveira disse...

Ai Tribunal do Santo Ofício que fazes tanta falta..

ASCENDENS ASCENDENS disse...

Caro Gonçalo Oliveira,

obrigado por comentar.

Faz muita falta o Tribunal do Santo Ofício... mas se ele não existe mais é porque algo se passou antes. Ora, se o Tribunal do Santo Ofício voltasse hoje, sem que a causa da sua "extinção" fosse eliminada, certamente se tornaria instrumento forte em mãos perigosas.

Enfim... o mal anda muito espalhado... e o mais está nos lugares insuspeitos.

Volte sempre.

Rafaela Silva disse...

“O perverso censura nos bons as obras retas que se nega a praticar.” São Gregório

TEXTOS ANTERIORES