02/03/14

HISTÓRIA DOS "ILUMINADOS" (I)

QUARTA PARTE
História dos Iluminados, primeira, segunda, e terceira época.

"Os costumes e as leis, muito mais que a glória das armas, são os que seguram a duração, e a propriedade dos povos; e sem o socorro da religião, as leis nada valiam contra os crimes ocultos, e contra a torrente do vício e da depravação. Sem uma religião pois, sem um culto, que ponha continuamente o homem na presença da Divindade, os costumes são em breve aniquilados, a voz da natureza e da consciência abafadas, e as leis eternas da moral desconhecidas, ou transgredidas; e por isso, toda a Nação, que cai numa desmoralização tão profunda, corre com a mesma rapidez à sua total ruína.

À vista de princípios tão evidentes, qual será o homem honrado que não se encha de horror para com essas assembleias secretas, das quais temos manifestado seus ímpios mistérios; e agora vamos escrever a história? É pois o Iluminismo nascido poucos anos antes da revolução francesa, por um homem que parecia limitar sua ambição nas escolas da Ingolstadt, que em menos de quatro lustres formou a horrorosa e abominável seita, que debaixo do nome de jacobinos conta hoje por troféu, altares abatidos, ceptros quebrados, constituições destruídas, nações subjugadas, potentados, uns caídos debaixo de seus punhais, outros humilhados debaixo do jugo de uma servidão chamada paz, ou de uma escravidão ainda mais vergonhosa, chamada aliança.

Debaixo deste mesmo nome de jacobinos, dos mistérios e conspirações de todas as seitas de conjurados, ímpios, sediciosos, e destruidores, o Iluminismo lançando a consternação por todo o Universo, e a rebelião em todos os Estados, tem-se feito tão poderoso, que não permite, que um só Rei possa dizer "amanhã ainda serei Rei, a um só Povo, amanhã ainda terei minhas leis e minha religião, e finalmente nenhum cidadão poderá assegurar, eu não temo acordar amanhã entre a Ordem Social, e a anarquia; entre a liberdade, e a morte."

Invisíveis motores, como tem presidido os Adeptos secretos do moderno espetáculo, a tantas maldades, e a todos os desastres desse flagelo de ferocidade chamado Revolução? Como presidem ainda a todos os que a seita medita, para consumar a desolação das sociedades humanas? E ainda não bastará os rios de sangue, que tem feito correr a Revolução francesa? Eis os grandes mistérios, contra os quais se armará o mundo inteiro.

Ainda que nesta quarta parte me proponho desenvolver estas questões; contudo não me lisonjeio de as resolver todas com a exactidão e suas circunstâncias, como poderiam fazer aqueles, que seguiram a seita iluminada em todos os seus subterrâneos. Sem perder um só instante de vista os chefes ou os adeptos, este monstro tem viajado através dos abismos, e as trevas nos tem mais de uma vez ocultado seus passos. Contudo, tendo visto seus escritos originais, não nos é impossível traçar seus progressos desde uma origem até a essa assembleia, em que o jacobinismo vencedor dos soberanos, gozando o fruto dos crimes e terrores que inspira; trabalha em destruir as leis e os tornos; os altares e a Religião; não deixando sobre terra vestígio algum do que possa contribuir para a felicidade do homem.

A ordem, que seguirei para desenvolver os fastos do Iluminismo, será o de suas épocas mais notáveis.

Na primeira, vê-se Weishaupt lançando os fundamentos da seita, formando em torno de si seus primeiros adeptos, ensaiando seus primeiros apóstolos, e dispondo-os para as grandes conquistas.

A segunda será de uma fatal instrução, que deu a Weishaupt milhares de adeptos, e que chamarei a época dos pedreiros-livres iluminados.

Adam Weishaupt
A terceira é a que os iluminados chamam o tempo de sua perseguição, pela descoberta de sua seita na Baviera. Alapardados em suas cavernas, mais activos que nunca, de subterrâneo em subterrâneo, ele chegaram aos antros de Filipe de Orleães, o qual lhe sujeita todas as lojas da Maçonaria francesa. Desta monstruosa associação nasceu com os jacobinos todos os crimes, e todos os desastres da Revolução. O tempo, em que começa a execução de suas conspirações, é a quarta época do Iluminismo. Isto basta somente para conhecermos a que desgraças está o mundo condenado, se acaso se permitir que os jacobinos tomem forças, infectem os impérios, e não se castigue, ou destrua de uma vez, e pela raiz a geração dos ímpios maçons iluminados, que circulam entre nós. Antes de chegar aos calamitosos tempos, remontêmo-nos à origem da seita, (para melhormente conhecermos o quanto é mais perigoso o golpe envenenado do erro escondido com artifício; e que se as más conversações corrompem os costumes, e enervam a fé; que se não deve temer da íntima comunicação desses incrédulos, que ligados pelo doce nome de "irmãos", corrompem o espírito que é pronto, e a quem as paixões desordenam contra a Religião!)

(continuação, II parte)

2 comentários:

fcmoncada disse...

Caro autor do ASCENDENS,

Poderá indicar o título e a autoria deste texto sobre os Iluminados?

Cumprimentos
Francisco cabral de Moncada

ASCENDENS ASCENDENS disse...

Caro fcmoncada,

Obrigado por comentar.

O autor é o Padre José Agostinho de Macedo, na obra "O Segredo Revelado ou Manifestação do Sistema dos Pedreiros-Livres e Iluminados...."

Volte sempre.

TEXTOS ANTERIORES